Presença de floresta conservada aumenta em quatro vezes a produtividade de plantios de açaí de terra firme

Cristiano Menezes - O trabalho avaliou a introdução de colônias de abelhas nativas da Amazônia, da espécie Scaptotrigona postica, conhecida popularmente como abelha canudo, em áreas com plantios de açaizeiro

O trabalho abordou, pela primeira vez, a polinização integrada de cultivos para avaliar o impacto na produtividade do açaí de terra firme. Foi avaliada a introdução de colônias da abelha canudo, nativa da Amazônia, em nove áreas de plantio de açaizeiro em terra firme, distribuídas em sete municípios do estado do Pará, e comparadas a outras nove áreas sem a introdução das colônias. O resultado mostrou um aumento de 433% de produtividade nas áreas com grande quantidade de vegetação nativa quando comparada às áreas degradadas. Os cientistas observaram que as abelhas manejadas têm grande potencial para aumentar a produção de frutos de açaí, mas não substituem o papel da floresta na provisão dos serviços de polinização. Em áreas com mata preservada, as abelhas introduzidas aumentam o número de visitas às flores, mas reduzem em 60%, em média, a abundância de espécies silvestres e, em 50%, a diversidade de insetos. Além dos benefícios ambientais, a preservação de florestas reduz os custos para os produtores, com a compra e aluguel de colônias. O estudo é um alerta para a importância da restauração florestal e o impacto na agricultura. Estudo inédito sobre o cultivo do açaizeiro em terra firme na Amazônia mostra que a presença de grandes áreas de vegetação nativa no entorno ou próxima aos plantios de açaí em terra firme pode aumentar em quatro vezes a produtividade do açaizal quando comparada à ausência de floresta. O trabalho, publicado hoje (12/7) no Journal of Applied Ecology, teve como abordagem a polinização integrada de cultivos, e comprovou que a conservação da floresta é mais eficiente do que o manejo de abelhas nativas dentro dos cultivos para aumentar a produtividade das áreas, o lucro do produtor e garantir a manutenção da biodiversidade. O trabalho avaliou a introdução de colônias de abelhas nativas da Amazônia, da espécie Scaptotrigona postica, conhecida popularmente como abelha canudo, em áreas com plantios de açaizeiro (Euterpe oleracea) em terra firme com diferentes gradientes de floresta no entorno ou próximas aos plantios. Os resultados mostram que as novas moradoras das áreas com floresta conservada contribuem para aumentar em 30% o número total de visitas de abelhas ao açaí. Por outro lado, elas reduzem, em média, em 60% a abundância de abelhas silvestres que vêm das áreas de florestas para visitar as flores do açaí e em 50% a riqueza, ou diversidade, dessas espécies. O artigo “Forest conservation maximizes açaí palm pollination services and yield in the Brazilian Amazon” é assinado por um grupo de cientistas da Embrapa Amazônia Oriental; Embrapa Meio Ambiente; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato Grosso (IFMT); Universidade de Brasília (UnB); Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Federal de Goiás (UFG). A polinização é um fator crucial para a produção de frutos do açaizeiro, uma vez que é uma palmeira de polinização cruzada (autoincompatível) e apresenta flores masculinas e femininas em tempos diferentes nas inflorescências. Ou seja, precisa de um agente que transporte o pólen das flores masculinas para as flores femininas de touceiras diferentes, e assim, possibilitar a fecundação e a formação de frutos. “Estudos anteriores já mostravam que o açaizeiro tem uma mega diversidade de visitantes florais, como abelhas, moscas, vespas, besouros e formigas. Mas são as abelhas nativas da Amazônia os polinizadores mais eficientes dessa palmeira“, lembra a bióloga Márcia Maués, pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental. Para compreender o impacto da introdução de caixas de abelhas em meliponários móveis nos plantios e a relação com a floresta próxima a essas áreas, os pesquisadores fizeram um amplo trabalho de campo. O grupo avaliou 18 áreas de plantio de açaizeiro em terra firme, distribuídas em sete municípios do estado do Pará. A escolha dessas áreas foi condicionada à presença de mais ou menos floresta nas proximidades dos cultivos. “No estudo, usamos um gradiente de cobertura florestal que vai de 10% a 40% no entorno ou próximo aos plantios e a abundância e riqueza de polinizadores silvestres presentes no ambiente”, afirma a pesquisadora. A abordagem da polinização integrada de cultivos envolve tanto o manejo de polinizadores quanto o manejo da paisagem e foi a primeira vez que essa metodologia foi utilizada para os plantios de açaizeiro. “Existem duas estratégias principais para promover os serviços de polinização: manejo de polinizadores (introdução de caixas de abelha dentro dos plantios) ou melhorar as condições ambientais para aumentar a abundância e diversidade de polinizadores nativos no ambiente”, explica o biólogo Alistair Campbell, pesquisador colaborador da Embrapa Amazônia Oriental. O foco do trabalho, continua Campbell, foi integrar as duas estratégias para mostrar ao produtor qual a melhor opção em diferentes cenários. “Ao longo do gradiente florestal, quando e onde compensa o produtor trabalhar com abelhas manejadas? Sempre vale ou nunca vale?”, questiona o pesquisador. O principal resultado apontado pelo trabalho, como explica o biólogo Cristiano Menezes, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, é que, no caso do açaí, o manejo da abelha canudo contribuiu parcialmente para o aumento da produtividade, mas os custos envolvidos não justificaram a ação. “Isso porque o aumento da produtividade com o manejo dessa espécie não foi tão grande quando comparado ao aumento proporcionado pela polinização prestada pela biodiversidade natural presente nas matas próximas”, afirma. Ele detalha ainda que, para poucos casos de polinização, o manejo de uma única espécie atende plenamente, mas para a grande maioria das plantas a diversidade de polinizadores é insubstituível. O artigo finaliza um trabalho que iniciou em 2016 e envolve projetos que estudam as abelhas e polinização, financiados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (Abelha). Fotos acima: Cristiano Menezes (abelhas) e Ronaldo rosa (açaí de terra firme) Novos moradores nos plantios Em nove áreas foram introduzidas 15 colônias de abelhas canudo dispostas em meliponários móveis com diferentes gradientes florestais no entorno. Outras nove áreas sem a introdução das caixas, mas com cenários florestais semelhantes, serviram como “testemunha”. Ao longo de cinco meses, que é o período de floração anual do açaizeiro, os pesquisadores avaliaram em um raio de um quilômetro, partindo do meliponário ao longo do plantio, a frequência de visitas de insetos, a abundância nas flores, a formação de frutos e as características do manejo realizado pelos produtores. “A mesma avaliação foi feita nas áreas sem a introdução de colônias, a partir de um ponto central do plantio”, acrescenta Maués. O grupo contabilizou mais de 17 mil visitas nas inflorescências femininas do açaizeiro no período de cinco meses. Dessas visitas, 62% foram de abelhas. E, entre essas, 29% foram das novas moradoras, as abelhas canudo; 28% de abelhas silvestres naturalmente presentes na área; e 5% de abelhas africanizadas. Outros insetos, como moscas, vespas e besouros correspondem a cerca de 30% das visitas. “Nós identificamos, entre os visitantes, 138 espécies de insetos, entre abelhas, moscas, vespas, besouros, formigas e mariposas”, conta a pesquisadora. Nas áreas com abelhas manejadas, segundo o estudo, a abelha canudo representou 43% das visitas entre todos os insetos. “Nós superlotamos uma área esperando um retorno positivo na polinização. Mas o que observamos foi que essas abelhas conseguiam monopolizar a visita às flores e, com isso, espantaram as abelhas silvestres”, afirma Maués. Novos experimentos com a introdução de número menor de colônias e com maior diversidade de espécies manejadas podem indicar resultados diferentes, ressalta a pesquisadora. A cientista destaca ainda que o açaizeiro tem uma relação forte com a diversidade de polinizadores e, quanto mais floresta, mais diversidade. Apesar de também serem polinizadores naturais do açaí, a introdução das colônias de abelha canudo não teve o efeito equivalente à presença da floresta. “Isso não descarta a importância do manejo das abelhas, mas indica que é preciso integrar a atividade ao manejo da paisagem e à floresta”, constata. Já nas áreas com menos floresta, a abelha canudo tem um efeito positivo na polinização e, consequentemente, na produtividade do açaí, principalmente nas áreas com menos de 30% de cobertura florestal. O Código Florestal Brasileiro define que propriedades rurais em áreas de florestas na Amazônia Legal devem possuir 80% de Reserva Legal ou, no caso de terem sido desmatadas, devem restaurar pelo menos 50% dessas áreas, sendo assim, a pesquisadora alerta que nas propriedades em desacordo com a legislação “não basta somente introduzir as caixas de abelha; é preciso fundamentalmente realizar a recuperação de Áreas de Preservação Permanente (APP) e de Reserva Legal. É importante para o produtor e para a produção”, destaca. Foto: Cristiano Menezes (abelha Canudo na flor feminina) Mais visitas, menos diversidade O trabalho apontou que, em um plantio sem o manejo de abelhas e com 40% de cobertura florestal ao redor, o número de visitas (abundância) de abelhas aos açaizeiros aumentou em 100%, em relação a uma área degradada com até 10% de floresta. Já em um plantio nas mesmas condições com a introdução de abelhas manejadas, o aumento na taxa de visitação às flores teve um acréscimo de 30% no total de visitantes florais (manejados ou não). “No geral, verificamos que houve aumento no total de visitas, pois superlotamos a área com abelhas”, observa Maués. Porém, ao analisar somente o desempenho dos polinizadores silvestres, aqueles presentes na natureza, a introdução das caixas de abelhas canudo provocou uma redução de até 80% na taxa de visitação das abelhas silvestres às flores e 50% na riqueza de espécies. A média na taxa de visitação ficou em 60%. “As abelhas canudo provocaram o deslocamento dos insetos que poderiam estar ali visitando as flores do açaí. Elas são muito ativas, territorialistas e eficientes na coleta”, acrescenta a pesquisadora. Ela ressalta ainda que a cobertura florestal teve o efeito mais importante no aumento da taxa de visitação, pois a competição entre as espécies foi menos acentuada nos ambientes com mais floresta. “Nos ambientes com menos floresta em função da escassez de abelhas silvestres e de recursos, a Scaptotrigona dominou o espaço”, completa a cientista. Para Cristiano Menezes, isso não significa que vamos desistir do manejo das abelhas no caso do açaizeiro, temos que pensar nas múltiplas possibilidades que o produtor tem para que o sistema de polinização seja bem-sucedido, como manejar uma diversidade maior de abelhas nativas, assim como ocorre na natureza, e melhorar a paisagem no entorno nos plantios.”É preciso mudar o olhar sobre a área de mata. Ao invés de ser considerada uma área perdida, ela deve ser vista como um ativo importante que traz renda para o proprietário. A restauração passa a ser um investimento”, pontua o cientista. Ao invés de pensar o açaí como uma monocultura de larga escala, o produtor deve pensar no desenho da paisagem que favoreça a presença dos polinizadores na área, como corredores de mata entre os plantios. “É importante que o produtor tenha em mente que ele precisa apostar nas áreas de mata. O manejo de polinizadores ajuda, mas dificilmente vai substituir a floresta, pois essas áreas é que vão garantir a provisão do serviço ecossistêmico de polinização”, finaliza Menezes. Foto acima: Alistair Campbel Aumento de 400% na produtividade Para avaliar o impacto econômico do aumento da taxa de visitação de abelhas às flores nos diferentes cenários e a produtividade das áreas, a equipe de socioeconomia envolvida no trabalho entrevistou mais de cem produtores e perguntou sobre o manejo da área, os custos da atividade e a produtividade dos plantios, em áreas com e sem a introdução das colônias. O resultado mostra que houve um aumento de 433% (quase cinco vezes mais) na produtividade (toneladas por hectare de frutos) nas áreas com pelo menos 40% de floresta conservada em relação às áreas com 10% de cobertura florestal no raio de um quilômetro. Sem o manejo das abelhas, a produtividade no cenário de baixa cobertura florestal (10%) ficou em torno de 3.9 toneladas por hectare de frutos. Já no cenário de alta cobertura florestal (40%) saltou para 21.3 toneladas por hectare. “Esse aumento de quase cinco vezes mais rendimento é semelhante nas áreas com a introdução das caixas de abelha, o que nos mostra que a presença da floresta é o fator principal para a produtividade do açaí” afirma o economista Felipe Deodato da Silva e Silva, do IFMT. O grupo avaliou também os custos envolvidos com o manejo de abelhas nos plantios, como a aquisição ou aluguel de colônias e manutenção, para estimar o lucro do produtor nos dois cenários em diferentes gradientes florestais. Com 10% de floresta no entorno dos plantios, o lucro do produtor foi estimado em 4.700 reais por hectare ao ano. Já os plantios que têm, pelo menos, 40% de floresta na área rendem cerca de 34 mil reais por hectare ao ano ao produtor. Mais uma vez, a introdução das caixas de abelhas manteve o lucro em quase oito vezes mais nos cenários com boa cobertura florestal. “Vimos novamente que é o impacto da presença da floresta que aumenta a produtividade e o lucro”, afirma o economista. Deodato ressalta ainda que, à medida que o gradiente de floresta aumenta, o manejo das caixas de abelha canudo nos plantios faz com que o lucro do produtor diminua. Isso porque a floresta já garante a presença das abelhas silvestres e o produtor não tem o custo da aquisição ou aluguel de colônias. Ainda que pequeno, o lucro sem o manejo supera as áreas com o manejo da abelha, pois o produtor não tem o custo das caixas de abelhas. “Nos dois cenários, o produtor tem produtividade, então por que ter um custo para um serviço que já é oferecido de graça pela natureza?”, questiona o economista. A pesquisadora da Embrapa afirma que a introdução das colônias da abelha canudo pode apoiar a polinização nas áreas com menor cobertura florestal, mas esse complemento nunca vai substituir a abundância e diversidade de abelhas nativas em uma área com mais floresta no entorno. “Mesmo que o produtor superlote a área com colônias de abelhas para substituir a diversidade de abelhas que tem na natureza, ele dificilmente vai alcançar os serviços de polinização que uma área com floresta oferece. Um dos caminhos pode ser o manejo de múltiplas espécies de abelhas compatíveis com as características das flores do açaí (tamanho) e que tenham fidelidade de visitas e facilidade de manejo em caixas”, conclui Maués. Fotos: Ronaldo Rosa (cacho açaí) e Alistair Campbel Manejar, recuperar e conservar O agricultor Alberto Shibata, do município de Santa do Izabel do Pará, região Nordeste do Pará, planta açaí em terra firme desde 2006. A cada ano, ele amplia o plantio e atualmente tem 15 mil pés de açaizeiro que produzem, anualmente, em torno de 50 toneladas. Ele conta que as 15 caixas de abelha canudo introduzidas no plantio ajudaram a polinização e ampliaram a produção de frutos. Prova disso é que o agricultor aderiu ao manejo da abelha, mantendo algumas colônias no plantio. “Minha área é localizada em uma região mais urbanizada e tem pouca abelha silvestre, por isso a introdução da abelha manejada foi muito boa para o meu açaí”, relata. Área de floresta é o que não falta na propriedade do produtor Fernando Miranda, localizada em Santa Bárbara, região metropolitana de Belém (PA). Ele, que se tornou um defensor das abelhas nativas, mantém uma área de 20 hectares de vegetação nativa e recuperada na propriedade. “Tenho cinco caixas com abelhas canudo e outras colônias em troncos de madeira, em casas de cupins, em ocos de árvores e até na terra, que já habitavam naturalmente a área, e com as quais faço um cuidadoso trabalho de preservação”, conta o produtor. Os 20 hectares de plantio de açaizeiro produzem anualmente cerca de 130 toneladas de frutos. O local também foi uma das áreas avaliadas pelos pesquisadores, onde foram introduzidas 15 colônias de abelha canudo. Na percepção de Fernando Miranda, a melhoria foi considerável em termos do aumento da quantidade e da qualidade dos frutos produzidos. “O aumento de produção foi de cerca de 30% com a introdução de colônias das abelhas canudo”, relata. Ele integra o manejo das abelhas à conservação da floresta. “As abelhas nativas dependem de uma ampla diversidade de alimentos e abrigos naturais que somente essas florestas e matas naturais são capazes de oferecer. Quando bem preservadas e manejadas, o trabalho de polinização dessas abelhas aumenta consideravelmente a quantidade e a qualidade dos frutos de açaí. Assim, vejo como imprescindível a preservação e recuperação dessas áreas”, conclui o produtor. Foto (ninho): Cristiano Menezes

Foto: Cristiano Menezes

O trabalho avaliou a introdução de colônias de abelhas nativas da Amazônia, da espécie Scaptotrigona postica, conhecida popularmente como abelha canudo, em áreas com plantios de açaizeiro

 

Estudo inédito sobre o cultivo do açaizeiro em terra firme na Amazônia mostra que a presença de grandes áreas de vegetação nativa no entorno ou próxima aos plantios de açaí em terra firme pode aumentar em quatro vezes a produtividade do açaizal quando comparada à ausência de floresta. O trabalho, publicado hoje (12/7) no Journal of Applied Ecology, teve como abordagem a polinização integrada de cultivos, e comprovou que a conservação da floresta é mais eficiente do que o manejo de abelhas nativas dentro dos cultivos para aumentar a produtividade das áreas, o lucro do produtor e garantir a manutenção da biodiversidade.

O trabalho avaliou a introdução de colônias de abelhas nativas da Amazônia, da espécie Scaptotrigona postica, conhecida popularmente como abelha canudo, em áreas com plantios de açaizeiro (Euterpe oleracea) em terra firme com diferentes gradientes de floresta no entorno ou próximas aos plantios. Os resultados mostram que as novas moradoras das áreas com floresta conservada contribuem para aumentar em 30% o número total de visitas de abelhas ao açaí. Por outro lado, elas reduzem, em média, em 60% a abundância de abelhas silvestres que vêm das áreas de florestas para visitar as flores do açaí e em 50% a riqueza, ou diversidade, dessas espécies.

O artigo “Forest conservation maximizes açaí palm pollination services and yield in the Brazilian Amazon” é assinado por um grupo de cientistas da Embrapa Amazônia Oriental; Embrapa Meio Ambiente; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato Grosso (IFMT); Universidade de Brasília (UnB); Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Federal de Goiás (UFG).

A polinização é um fator crucial para a produção de frutos do açaizeiro, uma vez que é uma palmeira de polinização cruzada (autoincompatível) e apresenta flores masculinas e femininas em tempos diferentes nas inflorescências. Ou seja, precisa de um agente que transporte o pólen das flores masculinas para as flores femininas de touceiras diferentes, e assim, possibilitar a fecundação e a formação de frutos. “Estudos anteriores já mostravam que o açaizeiro tem uma mega diversidade de visitantes florais, como abelhas, moscas, vespas, besouros e formigas. Mas são as abelhas nativas da Amazônia os polinizadores mais eficientes dessa palmeira“, lembra a bióloga Márcia Maués, pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental.

Para compreender o impacto da introdução de caixas de abelhas em meliponários móveis nos plantios e a relação com a floresta próxima a essas áreas, os pesquisadores fizeram um amplo trabalho de campo. O grupo avaliou 18 áreas de plantio de açaizeiro em terra firme, distribuídas em sete municípios do estado do Pará. A escolha dessas áreas foi condicionada à presença de mais ou menos floresta nas proximidades dos cultivos. “No estudo, usamos um gradiente de cobertura florestal que vai de 10% a 40% no entorno ou próximo aos plantios e a abundância e riqueza de polinizadores silvestres presentes no ambiente”, afirma a pesquisadora. 

A abordagem da polinização integrada de cultivos envolve tanto o manejo de polinizadores quanto o manejo da paisagem e foi a primeira vez que essa metodologia foi utilizada para os plantios de açaizeiro. “Existem duas estratégias principais para promover os serviços de polinização: manejo de polinizadores (introdução de caixas de abelha dentro dos plantios) ou melhorar as condições ambientais para aumentar a abundância e diversidade de polinizadores nativos no ambiente”, explica o biólogo Alistair Campbell, pesquisador colaborador da Embrapa Amazônia Oriental.

O foco do trabalho, continua Campbell, foi integrar as duas estratégias para mostrar ao produtor qual a melhor opção em diferentes cenários. “Ao longo do gradiente florestal, quando e onde compensa o produtor trabalhar com abelhas manejadas? Sempre vale ou nunca vale?”, questiona o pesquisador.

O principal resultado apontado pelo trabalho, como explica o biólogo Cristiano Menezes, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, é que, no caso do açaí, o manejo da abelha canudo contribuiu parcialmente para o aumento da produtividade, mas os custos envolvidos não justificaram a ação. “Isso porque o aumento da produtividade com o manejo dessa espécie não foi tão grande quando comparado ao aumento proporcionado pela polinização prestada pela biodiversidade natural presente nas matas próximas”, afirma. Ele detalha ainda que, para poucos casos de polinização, o manejo de uma única espécie atende plenamente, mas para a grande maioria das plantas a diversidade de polinizadores é insubstituível. 

O artigo finaliza um trabalho que iniciou em 2016 e envolve projetos que estudam as abelhas e polinização, financiados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (Abelha).

Fotos acima: Cristiano Menezes (abelhas) e Ronaldo rosa (açaí de terra firme)

Novos moradores nos plantios

Em nove áreas foram introduzidas 15 colônias de abelhas canudo dispostas em meliponários móveis com diferentes gradientes florestais no entorno. Outras nove áreas sem a introdução das caixas, mas com cenários florestais semelhantes, serviram como “testemunha”.  Ao longo de cinco meses, que é o período de floração anual do açaizeiro, os pesquisadores avaliaram em um raio de um quilômetro, partindo do meliponário ao longo do plantio, a frequência de visitas de insetos, a abundância nas flores, a formação de frutos e as características do manejo realizado pelos produtores. “A mesma avaliação foi feita nas áreas sem a introdução de colônias, a partir de um ponto central do plantio”, acrescenta Maués.

O grupo contabilizou mais de 17 mil visitas nas inflorescências femininas do açaizeiro no período de cinco meses. Dessas visitas, 62% foram de abelhas. E, entre essas, 29% foram das novas moradoras, as abelhas canudo; 28% de abelhas silvestres naturalmente presentes na área; e 5% de abelhas africanizadas. Outros insetos, como moscas, vespas e besouros correspondem a cerca de 30% das visitas. “Nós identificamos, entre os visitantes, 138 espécies de insetos, entre abelhas, moscas, vespas, besouros, formigas e mariposas”, conta a pesquisadora.

Nas áreas com abelhas manejadas, segundo o estudo, a abelha canudo representou 43% das visitas entre todos os insetos. “Nós superlotamos uma área esperando um retorno positivo na polinização. Mas o que observamos foi que essas abelhas conseguiam monopolizar a visita às flores e, com isso, espantaram as abelhas silvestres”, afirma Maués. Novos experimentos com a introdução de número menor de colônias e com maior diversidade de espécies manejadas podem indicar resultados diferentes, ressalta a pesquisadora.

A cientista destaca ainda que o açaizeiro tem uma relação forte com a diversidade de polinizadores e, quanto mais floresta, mais diversidade. Apesar de também serem polinizadores naturais do açaí, a introdução das colônias de abelha canudo não teve o efeito equivalente à presença da floresta. “Isso não descarta a importância do manejo das abelhas, mas indica que é preciso integrar a atividade ao manejo da paisagem e à floresta”, constata.

Já nas áreas com menos floresta, a abelha canudo tem um efeito positivo na polinização e, consequentemente, na produtividade do açaí, principalmente nas áreas com menos de 30% de cobertura florestal. O Código Florestal Brasileiro  define que propriedades rurais em áreas de florestas na Amazônia Legal devem possuir 80% de Reserva Legal ou, no caso de terem sido desmatadas, devem restaurar pelo menos 50% dessas áreas, sendo assim, a pesquisadora alerta que nas propriedades em desacordo com a legislação “não basta somente introduzir as caixas de abelha; é preciso fundamentalmente realizar a recuperação de Áreas de Preservação Permanente (APP) e de Reserva Legal. É importante para o produtor e para a produção”, destaca. 

 

Foto: Cristiano Menezes  (abelha Canudo na flor feminina)

Mais visitas, menos diversidade

O trabalho apontou que, em um plantio sem o manejo de abelhas e com 40% de cobertura florestal ao redor, o número de visitas (abundância) de abelhas aos açaizeiros aumentou em 100%, em relação a uma área degradada com até 10% de floresta.

Já em um plantio nas mesmas condições com a introdução de abelhas manejadas, o aumento na taxa de visitação às flores teve um acréscimo de 30% no total de visitantes florais (manejados ou não). “No geral, verificamos que houve aumento no total de visitas, pois superlotamos a área com abelhas”, observa Maués.

Porém, ao analisar somente o desempenho dos polinizadores silvestres, aqueles presentes na natureza, a introdução das caixas de abelhas canudo provocou uma redução de até 80% na taxa de visitação das abelhas silvestres às flores e 50% na riqueza de espécies. A média na taxa de visitação ficou em 60%.

“As abelhas canudo provocaram o deslocamento dos insetos que poderiam estar ali visitando as flores do açaí. Elas são muito ativas, territorialistas e eficientes na coleta”, acrescenta a pesquisadora. Ela ressalta ainda que a cobertura florestal teve o efeito mais importante no aumento da taxa de visitação, pois a competição entre as espécies foi menos acentuada nos ambientes com mais floresta. “Nos ambientes com menos floresta em função da escassez de abelhas silvestres e de recursos, a Scaptotrigona dominou o espaço”, completa a cientista.

Para Cristiano Menezes, isso não significa que vamos desistir do manejo das abelhas no caso do açaizeiro, temos que pensar nas múltiplas possibilidades que o produtor tem para que o sistema de polinização seja bem-sucedido, como manejar uma diversidade maior de abelhas nativas, assim como ocorre na natureza, e melhorar a paisagem no entorno nos plantios.”É preciso mudar o olhar sobre a área de mata. Ao invés de ser considerada uma área perdida, ela deve ser vista como um ativo importante que traz renda para o proprietário. A restauração passa a ser um investimento”, pontua o cientista.

Ao invés de pensar o açaí como uma monocultura de larga escala, o produtor deve pensar no desenho da paisagem que favoreça a presença dos polinizadores na área, como corredores de mata entre os plantios. “É importante que o produtor tenha em mente que ele precisa apostar nas áreas de mata. O manejo de polinizadores ajuda, mas dificilmente vai substituir a floresta, pois essas áreas é que vão garantir a provisão do serviço ecossistêmico de polinização”, finaliza Menezes.

Foto acima: Alistair Campbel

 

Aumento de 400% na produtividade

Para avaliar o impacto econômico do aumento da taxa de visitação de abelhas às flores nos diferentes cenários e a produtividade das áreas, a equipe de socioeconomia envolvida no trabalho entrevistou mais de cem produtores e perguntou sobre o manejo da área, os custos da atividade e a produtividade dos plantios, em áreas com e sem a introdução das colônias.

O resultado mostra que houve um aumento de 433% (quase cinco vezes mais) na produtividade (toneladas por hectare de frutos) nas áreas com pelo menos 40% de floresta conservada em relação às áreas com 10% de cobertura florestal no raio de um quilômetro.

Sem o manejo das abelhas, a produtividade no cenário de baixa cobertura florestal (10%) ficou em torno de 3.9 toneladas por hectare de frutos. Já no cenário de alta cobertura florestal (40%) saltou para 21.3 toneladas por hectare. “Esse aumento de quase cinco vezes mais rendimento é semelhante nas áreas com a introdução das caixas de abelha, o que nos mostra que a presença da floresta é o fator principal para a produtividade do açaí” afirma o economista Felipe Deodato da Silva e Silva, do IFMT.

O grupo avaliou também os custos envolvidos com o manejo de abelhas nos plantios, como a aquisição ou aluguel de colônias e manutenção, para estimar o lucro do produtor nos dois cenários em diferentes gradientes florestais. Com 10% de floresta no entorno dos plantios, o lucro do produtor foi estimado em 4.700 reais por hectare ao ano. Já os plantios que têm, pelo menos, 40% de floresta na área rendem cerca de 34 mil reais por hectare ao ano ao produtor. Mais uma vez, a introdução das caixas de abelhas manteve o lucro em quase oito vezes mais nos cenários com boa cobertura florestal. “Vimos novamente que é o impacto da presença da floresta que aumenta a produtividade e o lucro”, afirma o economista.

Deodato ressalta ainda que, à medida que o gradiente de floresta aumenta, o manejo das caixas de abelha canudo nos plantios faz com que o lucro do produtor diminua. Isso porque a floresta já garante a presença das abelhas silvestres e o produtor não tem o custo da aquisição ou aluguel de colônias.

Ainda que pequeno, o lucro sem o manejo supera as áreas com o manejo da abelha, pois o produtor não tem o custo das caixas de abelhas. “Nos dois cenários, o produtor tem produtividade, então por que ter um custo para um serviço que já é oferecido de graça pela natureza?”, questiona o economista.

A pesquisadora da Embrapa afirma que a introdução das colônias da abelha canudo pode apoiar a polinização nas áreas com menor cobertura florestal, mas esse complemento nunca vai substituir a abundância e diversidade de abelhas nativas em uma área com mais floresta no entorno. “Mesmo que o produtor superlote a área com colônias de abelhas para substituir a diversidade de abelhas que tem na natureza, ele dificilmente vai alcançar os serviços de polinização que uma área com floresta oferece. Um dos caminhos pode ser o manejo de múltiplas espécies de abelhas compatíveis com as características das flores do açaí (tamanho) e que tenham fidelidade de visitas e facilidade de manejo em caixas”, conclui Maués.

 

Fotos: Ronaldo Rosa (cacho açaí) e Alistair Campbel

 

Manejar, recuperar e conservar

O agricultor Alberto Shibata, do município de Santa do Izabel do Pará, região Nordeste do Pará, planta açaí em terra firme desde 2006. A cada ano, ele amplia o plantio e atualmente tem 15 mil pés de açaizeiro que produzem, anualmente, em torno de 50 toneladas. Ele conta que as 15 caixas de abelha canudo introduzidas no plantio ajudaram a polinização e ampliaram a produção de frutos. Prova disso é que o agricultor aderiu ao manejo da abelha, mantendo algumas colônias no plantio. “Minha área é localizada em uma região mais urbanizada e tem pouca abelha silvestre, por isso a introdução da abelha manejada foi muito boa para o meu açaí”, relata.

Área de floresta é o que não falta na propriedade do produtor Fernando Miranda, localizada em Santa Bárbara, região metropolitana de Belém (PA). Ele, que se tornou um defensor das abelhas nativas, mantém uma área de 20 hectares de vegetação nativa e recuperada na propriedade. “Tenho cinco caixas com abelhas canudo e outras colônias em troncos de madeira, em casas de cupins, em ocos de árvores e até na terra, que já habitavam naturalmente a área, e com as quais faço um cuidadoso trabalho de preservação”, conta o produtor.

Os 20 hectares de plantio de açaizeiro produzem anualmente cerca de 130 toneladas de frutos. O local também foi uma das áreas avaliadas pelos pesquisadores, onde foram introduzidas 15 colônias de abelha canudo. Na percepção de Fernando Miranda, a melhoria foi considerável em termos do aumento da quantidade e da qualidade dos frutos produzidos. “O aumento de produção foi de cerca de 30% com a introdução de colônias das abelhas canudo”, relata.

Ele integra o manejo das abelhas à conservação da floresta. “As abelhas nativas dependem de uma ampla diversidade de alimentos e abrigos naturais que somente essas florestas e matas naturais são capazes de oferecer. Quando bem preservadas e manejadas, o trabalho de polinização dessas abelhas aumenta consideravelmente a quantidade e a qualidade dos frutos de açaí. Assim, vejo como imprescindível a preservação e recuperação dessas áreas”, conclui o produtor.

Foto (ninho): Cristiano Menezes

 

Ana Laura Lima (MTb 1.268/PA)
Embrapa Amazônia Oriental

Contatos para a imprensa

Telefone: Telefone: (91) 9110-5115

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Fonte: Norte Agropecuário